C&A demonstra seu comprometimento com o consumidor e lança coleção com etiquetas em braile

 

braile

Gigante do comercio de vestuário, a C&A se consolidou no mercado internacional como uma cadeia de lojas de varejo. No país, a rede está entre as cinco maiores do departamento, ocupando a terceira posição -segundo ranking do Ibevar realizado em 2012-. Demonstrando seu compromisso com o consumidor, o grupo anunciou uma novidade que além de atestar o comprometimento da marca com a renovação, trouxe um novo olhar de quem possui apreço e oferece a devida importância a todos os seus clientes. Trata-se da implementação de etiquetas em braile em sua linha de camisetas do final do ano passado. Atendendo as necessidades do consumidor que possui deficiência visual, a novidade também auxilia pessoas que possuem apenas dificuldades visuais como pouca ou baixa visão, e foi disponibilizada em 14 unidades da C&A pelo estado de São Paulo.

Outro ponto interessante foi o planejamento do projeto, que contou com etiquetas que além de possuir mensagens registradas em braile, foram idealizadas para possuir uma estrutura e tamanho das letras específicos para o público em questão. A coleção que teve sua temática dividida em cores, e trouxe significados em alta nos dias atuais. Ao todo foram quatro, vermelho, branco, verde e amarelo, e os significados amor: paz, esperança e dinheiro, foram as temáticas escolhidas para abrilhantar a iniciativa.

O projeto foi realizado em parceria com uma instituição filantrópica que atua na inclusão social e intelectual de pessoas que possuem baixa visão ou são cegas, a Fundação Dorina Nowill. A Fundaçao Dorina Nowill, foi fundada em 1946 por Dorina Nowillm, e tem como objetivo tornar mais fácil a integração de crianças, jovens e adultos com baixa visão ou cegos, através de serviços específicos e gratuitos disponibilizados a quem manifesta interesse.

Além disso, a marca também contou com apoio de sua editora, a DNA que viabilizou o projeto e tornou a experiência agradável e satisfatória. Para a C&A, a campanha foi uma nova forma de tentar “tornar a moda mais acessível”, e esse primeiro passo de certo mudou a forma da marca de encarar o mercado, para que possa atender todos os clientes de maneira igualitária e inteligente.

 

 

 

Heineken anuncia a compra da Brasil Kirin

A marca holandesa Heineken declarou oficialmente a aquisição da Brasil Kirin pelo montante de € 664 milhões, valor em reais que ultrapassaria a casa dos R$ 2 bilhões. Com essa aquisição, a Heineken se tornará a segunda maior cervejaria em atuação no país, ficando atrás apenas do Grupo Ambev. As marcas que serão adquiridas com a compra do Brasil Kirin incluem os direitos sobre a Devassa, Schin, Baden Baden e Eisenbahn.

Através de um comunicado oficial, a Heineken declarou que com essa compra, o intuito da empresa é ampliar a sua presença em todo o Brasil e assim fortalecer o seu portfólio atual de marcas. Além disso, a Heineken certamente tem priorizado o mercado brasileiro, tendo em vista que, segundo uma pesquisa divulgada pela Euromonitor, o Brasil é o terceiro país que mais consome cerveja no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da China.

De acordo com o CEO da Heineken, Jean-François Van Boxmeer, essa transação é importantíssima para o mercado global de cerveja, e reitera o compromisso da empresa com o mercado brasileiro.

Os resultados financeiros recentes da Brasil Kirin informam que a empresa teve uma receita de R$ 3,7 bilhões no ano de 2016, com um prejuízo de cerca de R$ 260 milhões. Para a conclusão dessa aquisição pela Heineken ser finalizada, será necessário que a transação passe por uma série de aprovações regulatórias, as quais podem demorar ainda alguns meses para serem finalizadas.

Segundo a analista Anna Ward, especializada em bebidas alcoólicas pela Euromonitor International, o Brasil demonstrou ser um mercado em crescente expansão para a Heineken. De acordo com Ward, a Heineken foi a marca na categoria lager premium a apresentar o maior crescimento no mercado no ano de 2015. Ainda segundo a analista, o principal objetivo da marca no país é em relação ao seu valor, e esse crescente interesse pela categoria premium tem feito com que a Heineken seja cada vez mais bem sucedida nos seus objetivos.

Antes de anunciar essa aquisição, a Heineken já tinha confirmado as suas intenções de adquirir a Brasil Kirin há algumas semanas. Nesse período, os analistas estimaram que essa compra seria feita por um montante de aproximadamente US$ 870 milhões.

Segundo a empresa Nielsen, o Brasil foi responsável por um consumo de cerca de 13,5 bilhões de litros de cerveja no ano de 2015, sendo que no período, a Heineken apareceu na terceira posição entre as marcas mais vendidas, com 9% de participação nesse mercado, uma posição acima da Brasil Kirin, que deteve 8,5%. A vice-liderança desse ranking ficou com o Grupo Petrópolis, que possui 14%. Já a Ambev, permanece sendo a líder absoluta no mercado de cervejas do país, com uma parcela de mais de 60%.

 

Claudio Loureiro lança inovadora campanha de publicidade contra o tabagismo

A campanha mais recente do publicitário Claudio Loureiro consiste em um material inovador no que diz respeito às propagandas de prevenção e incentivo ao abandono do tabagismo.

Em vez de focar o discurso nos danos que o hábito de fumar causa para a saúde à longo prazo, Loureiro resolveu investir na conscientização dos males que o cigarro proporciona ao dia a dia do tabagista.

Essa estratégia surgiu da observação sobre os efeitos que as campanhas antitabagismo alcançam na prática, o qual é praticamente nulo. Apesar dos recursos investidos em grandes projetos publicitários para combater o cigarro, dois bilhões de pessoas no mundo ainda fumam. No Brasil cerca de 10% da população é formada por fumantes, sendo que todas (ou quase todas) essas pessoas estão cientes dos males que o consumo de tabaco pode causar.

Durante o século XX, graças ao avanço da ciência e da medicina, ficou claro que o tabagismo desencadeava diversos males no organismo. Ainda assim, a despeito das campanhas de combate ao consumo e conhecimento sobre as consequências do vício, a cada ano milhões de pessoas morrem em decorrência do tabagismo.

Estatísticas alarmantes do tabagismo no mundo endossam a mensagem transmitida pela campanha publicitária assinada Loureiro.

De acordo com o Instituto Nacional do câncer (Inca), 90% das mortes por enfisema pulmonar e 85% das mortes por bronquite e 90% dos casos de câncer de pulmão têm o fumo como agente causador. Estimativas baseadas nos dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que até seis milhões de mortes ao ano têm ligação com o consumo de cigarros.

Claudio Loureiro e a agência Heads Propaganda

A inovação no trabalho desenvolvido por Claudio Loureiro, portanto, foi buscar novos elementos e maneiras de chamar a atenção dos fumantes para os inconvenientes que o tabagismo pode trazer para a vida de quem o adere.

A campanha foi contratada pela Unimed de Curitiba-PR, que pretende incentivar a conscientização de que o fumo afeta as papilas gustativas e torna impossível sentir o sabor dos alimentos.

A Unimed da capital paranaense contratou a campanha da agência Heads Propaganda de Loureiro para desenvolver esse projeto que será lançado no dia mundial de combate ao tabagismo e através da qual se pretende inaugurar novas formas de abordar a questão e levar os fumantes à refletiram sobre ela.

A diretora de marketing da Unimed em Curitiba, Valéria Lopes, acredita que essa nova abordagem proposta pela Heads surtirá efeito.

“É uma forma diferente de alertar. Mais imediata. Mais marcante. Que o cigarro causa males todos nós já sabemos, mas, mesmo assim, parece que as imagens de um futuro distante não influenciam tanto na decisão dos fumantes. Eles fumam igual. Trouxemos os prejuízos do agora, uma maneira de mostrar que até na fruição dos sabores o cigarro atrapalha” – disse em entrevista.

A agência Head Propaganda está entre as mais importantes do país e já trabalhou com grandes marcas como Jhonny Walker. A empresa de capital 100% nacional foi fundada por Claudio Loureiro e tem o mesmo como CEO.

Para saber mais sobre a agência Heads de propaganda e o trabalho de Claudio Loureiro, continue sua leitura com outros artigos do nosso site.

 

 

O marketing direcionado ao público infantil

Atualmente, as crianças são, em muitos lares, o agente decisivo na hora da compra, não só para produtos utilizados por elas, mas também para produtos utilizados por toda a família. Hoje elas influenciam até 80% das compras dentro de uma casa. Apesar do fato de que as crianças ainda não possuam o desenvolvimento cognitivo e o pensamento crítico totalmente formados e, de acordo com a lei, elas não possam efetivamente realizar compras, o público infantil é abordado diariamente pela publicidade.

Cada vez mais nota-se ações de marketing direcionadas a este público, seja como forma de conquistar os pais por intermédio das crianças ou também um caminho para a fidelização desde cedo. Para lidar com a dificuldade de entender este público específico e de criar estratégias de persuasão eficazes, surge a necessidade de conhecer o comportamento das crianças, seus desejos, hábitos e a relação de empatia por determinados produtos. É de fundamental importância o entendimento de como a criança se relaciona com o meio, a forma como absorve as informações e como esta experiência auxilia nas escolhas de produtos e preferência por marcas.

A maioria das crianças faz pedidos aos pais a partir do que assistiram na televisão ou através do exemplo de um amigo que já possui o produto. Hoje, as mídias sociais exercem o papel de maior influência no público infantil, pois atua de forma assertiva diretamente no inconsciente das crianças e as crianças, por sua vez, atuam como agentes influenciadores sobre os pais.

 

Entre as táticas mais frequentemente utilizadas são a enfatização na distinção do produto, visto que ao se considerar o panorama atual do mercado o que pode ter influência na valorização de um produto é justamente o seu status diferenciado da concorrência, outra estratégia muito utilizada é a simulação de um consenso social, tendo em vista que o ser humano é em sua essência um ser que preza as relações sociais e depende delas para se construir o conceito de sociedade e assim poder pertencer a um grupo.

 

Segundo estudos, “crianças de até seis anos ainda não reconhecem a diferença entre um programa de televisão e uma peça publicitária, enquanto crianças com até 12 anos não são capazes de compreender com clareza o objetivo de uma propaganda, nem de perceber a estratégia de persuasão atrás de cada novo comercial”. Isso mostra que o comportamento do público infantil é facilmente influenciado pelo Marketing que acaba por distorcer o real objetivo do produto utilizando-se do estímulo ao raciocínio abstrato, e isso acontece principalmente devido às modificações na estrutura familiar, a ausência do referencial de pai e mãe que agora precisam trabalhar e acabam deixando para as mídias a tarefa de educar.

 

A princípio pode parecer perda de tempo o anúncio de marcas e produtos que não estejam voltados ao mundo infantil. Mas o setor publicitário raramente mira onde não enxerga possibilidades de venda. A questão é até que ponto as crianças devem ser alvo desse tipo de mensagem?

 

Geração Z e a Nova Era do Consumo

O consumo acelerado está diretamente ligado à cultura capitalista ocidental, a velocidade no acesso à informação e no processamento dela causou forte impacto no mundo e no modo como interagimos com ele. Hoje em dia é possível perceber a forma como a tecnologia tem influência no comportamento das novas gerações, conforme cresce a variedade de produtos e serviços disponíveis, a facilidade de obter crédito e a diversificação das mídias, aumenta também a necessidade de consumir.

A origem do conceito de sociedade de consumo teve origem no avanço industrial e na superprodução das fábricas, que levou a um excedente de oferta mediante a escassez de procura e consequentemente ao desenvolvimento de um marketing agressivo e persuasivo, na tentativa de induzir o consumidor a compra. Hoje o mercado de publicidade já entendeu que antes de vender algo, primeiro é preciso entender o consumidor e seus hábitos. A geração Z nasceu em meio a era digital, suas vidas são moldadas pela tecnologia e pela globalização. Eles tem uma visão diferente do mundo baseada no desapego geográfico e na dinamização do tempo. Exigentes e críticos, os jovens desta geração são empreendedores e lançam novas tendências com a mesma rapidez que recebem informações.

Segundo o AdReaction 2016, um estudo global realizado pela Kantar Millward Brown, a Geração Z passa cerca de 6 por dia online e 74% utilizam o celular como principal fonte de acesso a internet, entre as mídias sociais preferidas estão YouTube com 66% e Facebook com 63%. Apesar de passar mais tempo conectado, aproximadamente, 72% dos jovens desta geração afirmam pular as publicidades presentes em vídeos online, entretanto, conforme indica a pesquisa, música, celebridades (incluindo influenciadores digitais) e humor, tornam a Geração Z mais receptiva a anúncios.

Esse tipo de levantamento serve como ferramenta para auxiliar os profissionais de marketing a entender melhor o perfil desta geração, oferecendo uma orientação prática sobre quais abordagens criativas funcionam de forma mais adequada, facilitando assim, o desenvolvimento de novas estratégias que efetivamente possam induzir ao consumo.

“Mídia no modelo antigo era uma questão, entre aspas, meramente execucional, uma transação de compra e venda de espaço e audiência para veiculação de campanhas. Com a tecnologia, os primeiros a experimentar foram os veículos de comunicação. A mídia deixou de ser, novamente entre fortes aspas, tática para ser muito mais estratégica. Porque não é mais meramente um meio para fins publicitários. Os meios se multiplicaram e os motivos são vários”, destaca Ezra Geld, CEO da agência de publicidade J. Walter Thompson.

 

Um profissional completo

Em um mundo extremamente competitivo, se faz necessário, cada vez mais, um profissional capaz de administrar negócios visando aumento de vendas e lucros. Nesta perspectiva, o profissional de Marketing, fundamentalmente, especializado em potencializar o desempenho das instituições.

Este profissional visualiza as melhores oportunidades de mercado, aproveita-as, e atrai o consumidor, atendendo todas as suas expectativas. Também define e executa estratégias para garantir a lealdade de determinado público diante de um determinado conceito.

É seu papel construir e manter a boa imagem de determinado produto ou serviço. A associação de determinada marca, pacote visual ou gráfico, faz parte de todo um trabalho intelectual desenvolvido pelo profissional de marketing, que coleta ainda pesquisas de mercado, análise de dados sobre os diversos perfis de consumidores, bem como seu ambiente socioeconômico, de modo a determinar o impacto dos investimentos em promoção e propaganda sobre o valor final.

As mídias sociais

Em um mundo cada vez mais conectado, o grande apelo das redes e mídias sociais promoveu muitas empresas a utilizarem essa ferramenta como forma de conquistar público e divulgar seus produtos e/ou serviços. Com isso, a procura por especialistas em identidade visual digital, utilizando mecanismos para divulgar e promover, na internet, marcas, produtos e serviços a públicos segmentados. Produção e compartilhamento de conteúdo, otimização de sites, monitoramento de redes sociais, patrocínio em links, são as estratégias mais comuns para conquista de um público cada vez mais eclético e exigente.

Características esperadas

O marketing está em frequente atualização, no entanto, uma boa relação e interesse por pessoas faz com que este profissional esteja sempre a frente. Mas não deve achar que as compreendeu completamente. Sua ação deve ser sempre a de querer ajudar as pessoas.

Em um mercado bem dinâmico, também, o profissional deve aprender na prática como se adaptar a diferentes situações. Também, deve extrair de todo tempo disponível, uma grande oportunidade.

A criatividade também é um ponto forte do profissional de marketing, a capacidade de olhar para problemas novos e antigos, por diferentes pontos de vista, e achar grandes respostas em mínimas alterações.

O profissional deve estar disposto a escutar, e a também se impor. Deve ter habilidade de analisar dados e os transformar em conhecimento acionável. O marketing hoje é baseado, principalmente, na análise, seja das vendas, dos consumidores, ou de muitos outros aspectos.

Para maiores informações sobre a graduação em Marketing e o campo de atuação deste profissional, clique AQUI e se informe!

 

Conteúdo é rei: a evolução do Marketing de Conteúdo no mercado brasileiro

Tecnologias, hábitos, experiências e produtos: atualmente, tudo evolui e muda em um ritmo mais intenso, e os consumidores estão acompanhando este processo. Como consequência, formatos mais tradicionais de marketing e propaganda estão dando lugar a novas estratégias para que marcas e empresas alcancem seus públicos. Mais condizente com o que busca o consumidor de hoje, o Marketing de Conteúdo é uma delas.

O que é Marketing de Conteúdo?

De maneira resumida, o Marketing de Conteúdo é uma estratégia que busca engajar o público e crescer o número de potenciais clientes de uma empresa através da entrega de conteúdo relevante para estas pessoas. Ou seja, as empresas atraem os potenciais consumidores por meio de um conteúdo útil para eles, sempre focando na geração de novos negócios.

Crescimento acelerado

Apesar de esta ser uma ferramenta relativamente recente no Brasil, o Marketing de Conteúdo vem ganhando espaço dentro dos orçamentos de marketing das corporações.

Segundo estudos realizados em 2016, 70% das empresas brasileiras já adotou esta forma de comunicação, além de 50% das empresas pesquisadas ter relatado um aumento no investimento na ferramenta desde 2015. O valor médio investido em Marketing de Conteúdo já representa 28% dos orçamentos de marketing destas companhias.

Para 2017, as perspectivas são ainda mais amplas: 67% das empresas indicaram interesse em aumentar o budget para esta estratégia neste período.

Resultados

Este rápido crescimento se justifica pelos números. Empresários e gestores que apostam em conteúdo acompanham as visitas em seus sites crescerem em média 4 vezes.

Por sua vez, mais acessos representam mais oportunidades de negócio: estratégias de conteúdo são capazes de atrair até 5 vezes mais leads – pessoas interessadas nos produtos ou serviços da empresa – qualificados para as marcas que nelas apostam.

Porém engana-se quem pensa que esta estratégia limita seu foco em geração de leads e atração de novos visitantes. Geração de vendas, fidelização dos clientes e reconhecimento da marca também aparecem como grandes objetivos buscados por quem nela aposta.

Vantagens

Além dos resultados comprovados, existem outros motivos para mover esforços de comunicação para esta ferramenta. Se comparada com estratégias de compra de mídia, por exemplo, é uma forma de divulgação que demanda investimentos mais baixos, além de gerar ativos mais duradouros para a empresa. Isso porque, uma vez que o conteúdo é produzido e publicado, permanecerá na web por tempo indeterminado, sempre à disposição para atrair novos contatos.

Além disso, o conteúdo traz resultados de mais longo prazo, ao ser peça chave na construção da reputação da empresa. Ao longo do tempo, a organização tem grande potencial de adquirir status de autoridade em assuntos que domina, por assinar uma grande quantidade de material de qualidade sobre sua área de atuação.

Mesmo neste cenário positivo em que se encontra, como toda nova possibilidade no mundo dos negócios, o Marketing de Conteúdo ainda enfrenta algumas barreiras em sua evolução. A falta de profissionais qualificados é uma delas, o que tem incentivado o surgimento de diversos cursos e certificações para quem quer trabalhar na área. Seja como promessa de profissão do futuro para publicitários e jornalistas, seja como método de crescimento de negócios para empresários, não há dúvidas de que esta é uma estratégia que veio para ficar.

 

Brasil dá as boas vindas a Alexandre Gama que decidiu passar mais tempo por aqui

Há apenas um ano o empresário Alexandre Gama deixou o comando criativo da BBH, onde tinha um cargo global e que precisava viajar muito, apesar de estar lotado no Brasil. Há um ano também que sua empresa NeoGama deixou de fazer parte do grupo para atuar de forma independente.

Muito se especulou, a época, sobre quais seriam os novos projetos do publicitário brasileiro e questionamentos foram levantados sobre o motivo dessa mudança na carreira do conhecido empreendedor criativo.

Indo para além dessas questões rasas, Alexandre Gama, mantém o Brasil como o que ele chama de “bola da vez” da publicidade e propaganda. Em 2012, quando ele foi escolhido para ser o líder Global, dando seguimento ao contrato de compra da Neogama, pela BBH, ele já tinha esse pensamento. O grande mercado estava de olho no Brasil. E hoje, cinco anos depois não está diferente. O Brasil permanece na mira das grandes marcas quando o assunto é o meio criativo.

Também é fato que atualmente ocorre uma reformulação global no modo como se faz propaganda. E por que não dizer, uma mudança no modo como se vende!

Sobre isso se baseiam os novos projetos de Alexandre Gama, bem como da própria Neogama, que desde o ano passado (2016) deixou de utilizar o nome da BBH. Prova disso é o texto de apresentação do trabalho publicitário feito pela empresa, onde seu fundador comenta as mudanças no modo como as pessoas veem as coisas, de uma forma mais complexa. Ele ainda chama a atenção de que o mundo mudou e não há mais volta. As empresas de publicidade precisam se adaptar a essa “complexidade” e não tentar freá-la.

Outra prova de que os novos trabalhos de Alexandre Gama seguem pelo rumo da nova publicidade, a publicidade do século 21, a publicidade do anúncio antes do vídeo no YouTube, que precisa prender o público-alvo em menos de trinta segundos, em algumas vezes nos primeiros cinco segundos podemos acrescentar, é um texto publicado no perfil do LinkedIn. O texto trata dessa nova forma de anúncio, além de temas de negócios desruptivos e a grande possibilidade que pode assustar alguns enquanto anima outros.

Além de cuidar para que sua empresa não perca o chamado “DNA criativo”, como ocorreu com a BBH na ocasião da saída de seus sócios fundadores, Nigel Bogle e John Hegarty, Alexandre Gama também integra a diretoria de criação Global, do Publicis Groupe grupo que adquiriu a BBH e a Neogama. Dessa forma os negócios estão todos em casa.

Em relação ao mercado brasileiro a NeoGama tem conseguido muitas contas novas o que garante que o fato de seu fundador estar de volta tem completa relevância.

O maior desafio agora se encontra em manter essa “casa” em ordem para que qualquer ramo dela, seja a própria Neogama, a BBH ou todo o Publicis Groupe, mantenham-se produtivos, lucrativos e principalmente criativos para lidar com a publicidade do século 21. Afinal as pessoas podem pular os anúncios assim que passarem os primeiros cinco segundos.

Dicas essenciais para você começar uma estratégia de Marketing de Conteúdo

Já se foi o tempo onde tudo o que consumíamos era, quase que exclusivamente, influenciado pelo que assistíamos na TV. Dependendo da frequência da exposição aos intervalos comerciais, a marca ou, até mesmo, a necessidade do produto anunciado ficava “impregnada” em sua mente. Nessa época, o máximo que você podia fazer era trocar de canal ou desligar o aparelho.

Atualmente, com o uso e exploração frequente da internet, os anunciantes encontraram um novo canal para divulgar seus serviços. O cliente, nesse ponto, passa a escolher o que consumir. É aí que entra o Marketing de Conteúdo. Em resumo, é uma modo de “mudar o foco” do ato de consumo: Antes, a marca anunciava, atingia o consumidor, que realizava a compra. Esse processo é chamado de “venda fria”. Muitas vezes a relação cliente/empresa acabava aí. Mas, com o surgimento do Marketing de Conteúdo, agora o próprio consumidor é quem parte, decidido, a realizar a compra do serviço da marca que deseja.

Como fazer Marketing de Conteúdo?

Tenha em mente que este processo envolve todo um plano traçado visando alcançar um objetivo específico: seja aumentar o conhecimento do público sobre sua marca, aumentar o engajamento com o conteúdo produzido, ou simplesmente causar uma impressão positiva nos visitantes de seu site ou Blog. Para o Marketing de Conteúdo, a venda deixa de ser o objetivo, e se torna uma consequência de ações bem executadas. Para isso, você precisa de:

O primeiro passo de uma boa estratégia é saber qual o objetivo que você pretende alcançar e o que fazer para ter êxito. Documentar as ações é fundamental. De maneira geral, você deve produzir conteúdo relevante ao seu público, de maneira a fazê-lo enxergar ali seu problema e sua solução.

Nesta etapa, ocorre a produção em si. O objetivo é atingir os potenciais clientes (ou leads), com o conteúdo apropriado, no momento em que necessitam. É muito utilizada a metáfora do “Funil de Vendas” – quanto mais o lead adentra no funil, maior a chance de se transformar em um cliente real. Para ter mais sucesso, é recomendável definir personas, para direcionar melhor seu conteúdo.

Neste momento, você deve analisar o que produziu e que resultados obteve. É frequente o uso e interpretação de KPIs, de modo a avaliar todo o comportamento do usuário dentro do seu site, assim como o andamento do processo de compra.

 

 

 

3 razões para você conhecer (e usar) o Marketing Digital

O que faz o Marketing Digital? Em tempos onde a busa por informação e a facilidade de acesso são imensas, graças à internet, o produto ou serviço deve estar onde o cliente está, certo? Para isso, nada melhor que saber como funciona a internet, os mecanismos de busca, posicionamento de páginas, o que atrai os visitantes, seu comportamento online e muitas outras coisas.

Quais são as melhores práticas e ferramentas para iniciar no Marketing Digital?

Primeiramente, você precisa dar ao seu empreendimento um modo de ser encontrado na internet. Então, o primeiro passo é criar um domínio, um endereço único na rede e que seja seu. Para verificar a disponibilidade do domínio que você pretende registrar e já fazer a hospedagem, empresas como a Hostgator, a GoDaddy e a UOL são ótimas opções para começar. A duração dos planos de assinatura dos serviços varia, assim como o preço. É importante que seu domínio seja um nome de fácil memorização e de relação direta com o que você oferece.

 

É importante também ter uma estratégia para conseguir a aproximação dos possíveis clientes. Uma forma eficaz é utilizar técnicas de Marketing de Conteúdo, produzindo materiais (como ebooks, por exemplo) relacionados ao seu nicho de mercado, que vão “nutrindo” os visitantes, aumentando a reputação e respaldo de sua empresa.

A atração, relacionamento e suporte ao seu cliente podem ser feitos através da Rede Social que mais combine com o seu mercado e público-alvo. A princípio, é bom estar presente no Facebook, Instagram e/ou Twitter.

Para planejar, dominar e agilizar a produção de posts e materiais, é recomendável iniciar pela certificação gratuita que a Rock Contentoferece, além da utilização do WordPress, um sistema de gerenciamento de conteúdo amplamente difundido no mundo. Você pode aprender a configurá-lo e manuseá-lo, de graça, na Udemy.

 

É bem mais fácil vender um produto quando o próprio cliente procura sua empresa para fechar negócio. Pensando dessa forma, uma das tendências mais modernas atualmente é o Inbound Marketing, no qual você continua “vendendo” suporte e conteúdo ao seu cliente, mesmo depois que ele já adquiriu seu produto e, portanto, conhece a sua qualidade. Isso o torna um “promotor” do seu negócio, com maior possibilidade de novos clientes em potencial. A Hubspot, referência no ramo, oferece capacitação gratuita, legendada em português.

 

Ainda há muitas outras ferramentas e técnicas, como SEO, KPIs, Adwords, CRM e E-mail marketing. Se preferir, você pode optar por ferramentas que automatizam dois ou mais destes serviços, como a LeadLovers e a RD Station. Agora que já foi apresentado ao mundo do Marketing Digital, fique sempre por dentro das novidades para manter-se à frente do mercado!